Novo modelo - Bicicleta tipo scooter Vortex One


  • Hoje, 12-12-2015, nasce o novo modelo VORTEX ONE.
    Após teste real em estrada e vários tipos de pavimento verifica-se:
    a) - Excelente comportamento das suspensões - Até apetece circular sobre paralelos e mau piso.
    b) - Excelente capacidade de travagem - Graças ao travão de Disco hidraulico na roda dianteira
    c) - Excelente Autonomia - Fez hoje 62 km, (Maia / Ermesinde / Santo Tirso / Maia) com uma só carga.
    d) - Painel de instrumentos digital com indicador de carga por barras, Km percorridos e velocidade instantânea.
    f) - Farol de iluminação com máximos e médios.
    g) - Cruise control (botão verde no punho direito)
    h) - Espelhos aerodinamicos.
    afreitas
     
    Mensagens: 724
    Registado: 10 mai 2014, 02:56


  • Gosto em particular deste modelo! Na de teste drive, pude verificar que o seu controlador era de onda pura, tornando ainda mais silenciosa e económica. Mas posso estar a confundir...?
    A robustez parece ser palavra de ordem neste modelo. Às vezes até me pergunto, será que era necessário tanto??
    Aqueles travões de disco parecem os de um motociclo. Pena é que ainda assim continua a ser um velocipede e sua velocidade máxima permitida de 25Km/h, mesmo que por um pouco ultrapassada, não faz deste veiculo um ciclomotor, quanto mais um motociclo.
    Um pouco menos de espetaculo nestes acessórios e um pouco mais investimento nas baterias, era um veiculo de eleição para mim.
    Espero passar a ver muitos destes exemplares por terras aveirenses, que tanto sucesso por cá fazem.
    Jorge Rocha
     
    Mensagens: 410
    Registado: 18 mai 2014, 23:56


  • Não só gosto do seu design como também de suas performances, sua envergadura que se traduz em segurança e conforto, e o mais apetecido, seu controlador de onda pura, proporcionando uma maior eficiência e prazer de condução.
    A travagem regenerativa pode ser activada neste belo controlador, bastando colocar a ficha de fios azuis ligada entre si.
    O cruise control é também agradável, por se fixar à corrente e não à velocidade, permitindo assim uma melhor gestão energética.

    As suspensões neste velocípede eléctrico são realmente uma coisa fora de série neste tipo de veículos. Muito bom mesmo!
    Jorge Rocha
     
    Mensagens: 410
    Registado: 18 mai 2014, 23:56


  • Adquiri esta quase scooter , notei que as ligações eléctricas de iluminação não estão isoladas , nos dias chuvosos não vou poder andar com ela pois não me sinto seguro , pois não sei como estará o isolamento das outras ligações eléctricas principalmente na parte das baterias .

    Em media vou andar com esta quase scooter 30 km por dia , vou andar com ela por vários tipos de piso , por isso vou testar a sua resistência ao máximo .

    A única coisa que não gosto nesta quase scooter são os pedais .
    CMatomic
     
    Mensagens: 12
    Registado: 14 mar 2016, 23:42


  • Após longas horas de condução desta viatura , recomendo a conduzir com os pés sobre os pedais pois garante uma posição confortável de condução .
    CMatomic
     
    Mensagens: 12
    Registado: 14 mar 2016, 23:42


  • Exactamente. Todas as bicicletas devem ser conduzidas com os pés nos pedais. Aliás, a lei impede que se retire os pés dos pedais e as mãos do guiador.
    Mas nos modelos de bicicletas tipo scooter, cujas baterias se situem sob o tapete, ainda é mais importante ter os pés nos pedais, para mais conforto e mais segurança.
    Concordo que este modelo (ONE) tem no posicionamento dos pedais e no comprimento dos cranks os seus pontos fracos.
    A maioria das bicicletas tipo scooter foram pensadas sem pedais, pois a lei de grande parte dos países onde se usam, não obriga à colocação de pedais. Assim, para os países que obrigam estes veículos equipados com pedais, monta-se um sistema que não deixa de ter efeito de tracção à roda posterior por meio de corrente e rodas dentadas tal como os velocípedes, mas está lá mais para cumprir a lei, do que propriamente para ser utilizado.
    A europa é excessivamente legisladora o que por vezes aniquila funcionalidades, industria, produtos etc. A segurança é muito importante, mas em muitas situações complicam o acessório e descuram o essencial ou determinante.
    Por exemplo: Na europa as bicicletas eléctricas são limitadas na velocidade e na potência, respectivamente 25Kmh e 250W. Nos E.U.A. 35Kmh e 500W.
    Qual é diferença na segurança entre 25 e 35Kmh? – As bicicletas normais com pneus finíssimos (corrida) atingem 80Kmh.!!!. Que diferença faz à segurança 250 ou 500W?.
    Por outro lado, não é mas deveria ser exigível um seguro obrigatório de responsabilidade civil a todos os velocípedes com motor seja eléctrico ou de explosão interna, pois um atropelamento ou choque com outro veículo pode causar danos ou estragos que se o causador não tiver meios de ressarcir coloca em causa isso sim, a segurança de outrém e o equilíbrio das responsabilidades sociais.
    Sempre ouvi dizer: Legislador legisla o mínimo que puderes.
    afreitas
     
    Mensagens: 724
    Registado: 10 mai 2014, 02:56


  • Mais uma recomendação , neste caso de segurança , sempre que descolorarem esta quase scooter a pé , é importante desligar o motor , pois mesmo que não toquem no acelerador , por vezes os pedais deslocam-se para a frente isso faz accionar o motor e acelerar .
    CMatomic
     
    Mensagens: 12
    Registado: 14 mar 2016, 23:42


  • CMatomic Escreveu:Mais uma recomendação , neste caso de segurança , sempre que descolorarem esta quase scooter a pé , é importante desligar o motor , pois mesmo que não toquem no acelerador , por vezes os pedais deslocam-se para a frente isso faz accionar o motor e acelerar .


    Eu não devia dizer isto. O sistema pedaleiro e o sensor nele instalado é segundo a lei, para parar o motor sempre que o ciclista deixa de pedalar, mas a verdade é que em minha opinião a segurança sobrepõe-se a tudo o que o legislador possa legislar.

    Se eu utilizasse este tipo de veículos com muita regularidade, desligava-lhe o sensor do pedaleiro por constituir vários riscos:

    1 - O CMaotomic tem razão: quando a corrente ganha um pouco de folga (normal com a utilização) a rotação da roda posterior faz rodar o pedaleiro e o motor arranca com toda a energia disponível.

    2 - Quando a roda livre fica sem lubrificação interna, ou se lhe entra humidade, torna-se mais presa e faz movimentar o pedaleiro com as mesmas consequências do ponto 1.

    3 - Se porventura tiver a bicicleta no descanso central estacionada ou para alguma manutenção de serviço, desligue sempre a chave de ignição, pois qualquer movimento dos pedais fará arrancar o motor e se houver mãos por perto a possibilidade de acidente é grande. As crianças são por natureza curiosas e gostam particularmente de mexer nas partes móveis como os pedais. etc.etc.
    afreitas
     
    Mensagens: 724
    Registado: 10 mai 2014, 02:56


  • afreitas Escreveu:
    CMatomic Escreveu:Mais uma recomendação , neste caso de segurança , sempre que descolorarem esta quase scooter a pé , é importante desligar o motor , pois mesmo que não toquem no acelerador , por vezes os pedais deslocam-se para a frente isso faz accionar o motor e acelerar .


    Eu não devia dizer isto. O sistema pedaleiro e o sensor nele instalado é segundo a lei, para parar o motor sempre que o ciclista deixa de pedalar, mas a verdade é que em minha opinião a segurança sobrepõe-se a tudo o que o legislador possa legislar.

    Se eu utilizasse este tipo de veículos com muita regularidade, desligava-lhe o sensor do pedaleiro por constituir vários riscos:

    1 - O CMaotomic tem razão: quando a corrente ganha um pouco de folga (normal com a utilização) a rotação da roda posterior faz rodar o pedaleiro e o motor arranca com toda a energia disponível.

    2 - Quando a roda livre fica sem lubrificação interna, ou se lhe entra humidade, torna-se mais presa e faz movimentar o pedaleiro com as mesmas consequências do ponto 1.


    Isso também pode acontecer com a perda da lubrificação na zona da corrente/roda dentada. Já me aconteceu os pedais comçarem a rodar que nem malucos só por a mota andar, o que tornava bastante difícil controlar a velocidade. Um bocadinho de óleo na roda dentada traseira e resolveu o problema.
    rnlcarlov
     
    Mensagens: 143
    Registado: 27 mai 2014, 16:12
    Localização: Lisboa


  • Após uns bons kilometros a corrente soltou-se , parente tal risco , arranjei um alicate e cortei o cabo do sensor dos pedais , é claro deverei colocar a corrente de novo para não ter problemas com a lei , mas o sensor esse nunca mais quer saber dele .
    CMatomic
     
    Mensagens: 12
    Registado: 14 mar 2016, 23:42

Próximo


Voltar para Gingabike