Cuidados a ter com baterias LiFePO4


  • Jorge Rocha Escreveu:Eu também ando nessas motas, e sei que quando as células já não estão em muito bom estado, os 40A é uma corrente alta para um pack que andou 25.000Km com apenas 40Ah ThunderSky, e que a partir daí se juntou um pack de 15Ah Wina.
    Aqui em terras planas de Aveiro, andei com a Predator do Mumia, tinha ela ainda nem 6.000Km, e ao ir para o trabalho a 15Km de casa (10 na A25), portava-se muito bem em velocidades de 90Km/h. Mas depois, com a diminuição das temperaturas da noite (trabalhava por turnos), ao sair do trabalho parece que tinham retirado metade das baterias, por tão vagarosa que ficava. Ao entrar na A25, tinha que me encostar na berma, pois se acelera-se mais do que os 40Km/h, o controlador cortava por tensão baixa aos 68V. E vinha sempre a controlar até chegar a casa.

    Por saber que a mota iria levar novas baterias, nem me pesou muito na consciência, pois poderia andar com a mota mais devagar para que não baixasse tanto sua tensão. Sempre poderia vir a 20Km/h até casa, mas depois de 12 horas seguidas de trabalho, já queria era chegar a casa o quanto antes e dormir.

    Acabei por desenvolver algumas técnicas para diminuir esse efeito:
    Isolar muito bem o pack de forma a que não arrefeça tão rapidamente.
    A colocação de resistências de aquecimento como "piso radiante" nas baterias.
    Fazer sempre bons dimensionamentos em KWh para o veiculo em função de sua potencia.
    Recomendar o andamento a velocidades que não exijam tanto consumo de energia (65Km/h para uma Predator de 60Ah).
    Fazer uma boa rodagem às baterias, tendo em conta os suaves carregamentos e descargas lentas.


    Abri este tópico para não se continuar em off-topic no DB do XaYu.

    Como sabes Jorge tenho um profundo respeito por ti e pelo teu trabalho a quem os clientes de VEs em Portugal muito devem. Nada disto é pessoal estamos aqui a discutir assuntos técnicos. Não estou de acordo com o que escreveste acerca deste tipo de baterias.

    Nos dias de hoje já existe muito pouco para descobrir acerca de como tratar correctamente esta química.

    Eis a verdade nua e crua:

    A esmagadora maioria das instalações de packs LiFePO4 em scooters estão a trabalhar fora de especificações em Portugal.

    Isto é razão para dizer que a química é desadequada ou o fabrico das células deficiente? Não.

    Significa simplesmente que o produto está a ser utilizado de forma desadequada.

    Vamos concretizar:

    Já temos um tópico sobre a que tensão carregar as baterias LiFePO4 onde volto a agradecer a colaboração do rnm pelo seu importante contributo.

    O BMS de origem das Predator e o Signalab BMS cortam o carregador cerca dos 3,95V por célula e voltam a ligar aos 3,80V. Quando o pack está em balanceamento as células mais altas passam horas nestas tensões porque as correntes de balanceamento para os 3,65V são baixas.

    Hoje sabe-se que a exposição sistemática (diária no caso dos utilizadores frequentes) a valores de tensão superiores a 3,75V durante a carga provoca o plating acelerado dos eléctrodos da célula. Esta desenvolve fenómenos de aumento de resistência interna precoce que conduzem precocemente o pack a uma situação de utilização deficiente.

    Alguém pode dizer:

    Mas nas datasheets das Winston (amarelinhas) está lá escrito:

    Maximal Charge Voltage: 4V (The cells is damaged if voltage exceeds this level)


    Mas não está lá escrito o que acontece entre os 3,75V e os 4,0V. E infelizmente não acontece nada de bom.

    Se consultarem as datasheets (bem mais fidedignas) das Sinopoly, Wina, CALB e GBS está lá:

    Charging cut-off voltage: 3,7V (The cells is damaged if voltage exceeds this level)


    Alguém pode ainda dizer:

    Mas baixei a tensão do carregador ou coloquei mais uma célula em série para a tensão individual das células não subir tanto.


    Isto seria útil se elas chegassem á tensão superior de balanceamento todas ao mesmo tempo o que raramente é o caso habitual.

    Alguém pode argumentar:

    Mas eu fiquei a olhar para as células durante uma carga particular com um multímetro e pareceu-me tudo bem.


    Eu respondo. Tenham juízo e arranjem algo de útil para fazer. Só pode ficar satisfeito com isto quem nunca estudou a fundo estes assuntos. Como se diz em Portugal: Uma vez não são vezes...

    Ainda esta semana o Pedro me telefonou preocupado com evidencias deste comportamento no pack de 70Ah do ICEMAN (Predator Prestige).

    O facto do pack estar protegido com um BMS não significa rigorosamente nada se o BMS estiver projectado de raiz para fazer asneiras. Mediante o exposto não utilizar BMS acho que nem merece comentários.

    Esta é uma das principais razões para o envelhecimento precoce de muitas células dos packs LiFePO4 a circular.

    Já falei inúmeras vezes sobre estes assuntos neste e noutros fóruns. Não costumo por nomes nos produtos por uma questão de elegância quando faço estes comentários. Mas quando um cliente cuidadoso pergunta o que fez de errado e nas respostas só vejo chorrilhos de disparates é altura de por os pontos nos is.

    O que é que o cliente fez de errado?

    Resposta: Simplesmente ligou o carregador á tomada e o setup instalado não permite fazer cumprir as correctas especificações de utilização das células.

    De uma forma ou de outra esta razão sempre esteve relacionada com os packs que me cruzei que apresentavam problemas e foram muitos.

    Este processo de "plating" dos eléctrodos da célula é irreversível, cumulativo e tende a acelerar ele próprio o envelhecimento.

    O pack LiFePO4 ficar parcialmente descarregado á espera do melhor período do bi-horário não tem qualquer consequência. Se o pack tiver de ficar sem uso por vários meses é até conveniente que fique a meia carga (estado habitual de fornecimento das células por parte do fabricante). Isto se o setup não tiver consumos constantes parasitas como em muitos casos.

    Utilizações destas células prismáticas mais populares dentro dos limites até 1.5C são de uma forma geral seguras num país com um clima temperado como o nosso. Já fui muito criticado noutro fórum por revelar estas limitações que sempre implementei e foram na altura classificadas de castradoras. 99A contínuos num pack de 66Ah (ex: GBS) já permite uma utilização interessante da scooter em auto-estrada.

    Quando se instalam células novas em paralelo para efectuar um aumento de capacidade (autonomia) num pack já usado é necessário fazer profundos testes individuais a cada uma das células usadas para determinar a sua capacidade total, resistência interna e curva de descarga. Caso contrário não existe forma de prever ou controlar como se vai dividir entre si a corrente de descarga nas duas células colocadas em paralelo (usada e a nova geralmente mais pequena e débil). A inobservância deste procedimento pode resultar na rápida destruição das novas células mais pequenas por violação sistemática do limite superior da corrente de descarga.

    Em jeito de conclusão é bom interiorizar que se pegarem num multímetro e analisarem a fase final do processo de carga e medirem valores de tensão superiores a 3,75V numa célula LiFePO4 disparem as campainhas de alarme.

    Em quase todos os encontros quando se pega num multímetro tenho-me apercebido destas situações de forma mais ou menos corrente pelo canto do olho.
    Editado pela última vez por MVS em 24 out 2014, 12:12, num total de 20 vezes.
    Imagem
    Avatar do Utilizador
    MVS
     
    Mensagens: 677
    Registado: 16 mai 2014, 07:15
    Localização: Porto



  • Não é por aí que o gato vai ás filhoses Mariano.

    O pack usado pode ter células melhores mas devido ao uso já terá um pouco mais de resistência interna. Há aqui sempre um efeito de auto-controlo. Quando a corrente sobe muito a tensão da célula cai e a corrente cai também.

    Devem evitar-se a colocação destas células mais pequenas em paralelo em veículos de elevadas prestações porque aí é mais dificil de controlar a situação.

    O principal risco tem a ver com colocação de uma célula nova mais pequena em paralelo com uma célula maior envelhecida (resistência interna elevada). A corrente total do pack será forçada pelo caminho de menor impedância que numa primeira fase será a célula mais pequena destruindo-a no processo.

    O bom senso tem de estar sempre presente.
    Imagem
    Avatar do Utilizador
    MVS
     
    Mensagens: 677
    Registado: 16 mai 2014, 07:15
    Localização: Porto


  • Hum e se for 2 Packs novos ? Um wina outro Winston.

    Só terá a ver com a tensão das wina ser mais baixa ?
    Avatar do Utilizador
    MRider
     
    Mensagens: 896
    Registado: 19 mai 2014, 00:05
    Localização: Ilha da Madeira


  • No teu setup não recomendo a combinação Mariano porque entramos naquilo a que chamo um setup performante.

    No teu caso particular desfazia a mota, projectava uma caixa de baterias em condições para 72V 60Ah e implementava.

    Não adianta teres amor á mota tal e qual como está e não te servir a 100%. Tenho a certeza que tens skills para fazer um bom trabalho. Não te falta aqui ajuda. Pelo menos eu e o Jorge estamos fartos de fazer caixas de baterias para criar novas configurações. Estamos neste momento a colocar 72V 40Ah numa EcoRider de 3KW -> 4,5KW. Conheces a mota e sabes como é pequena. Nem precisei de mexer no compartimento de arrumo debaixo do banco ou plásticos (com a excepção daquelas tampas do braço oscilante traseiro) e o controlador agora sinusoidal (maior) está entre o banco e o pack.

    O teu caso é bem menos radical do que este.
    Imagem
    Avatar do Utilizador
    MVS
     
    Mensagens: 677
    Registado: 16 mai 2014, 07:15
    Localização: Porto


  • Bem o meu caso é diferente lol. Eu se quisesse projectava uma mota de raiz. Hehe

    Mas isso é outra história :-)

    Não estava a falar no meu caso. Estava a falar no geral .

    Mas segundo a lógica não devemos misturar tipos de baterias e é isso que temos de ter em atenção não é?
    Avatar do Utilizador
    MRider
     
    Mensagens: 896
    Registado: 19 mai 2014, 00:05
    Localização: Ilha da Madeira


  • Já o fiz em várias situações como aqui:

    mas só em veículos até 4KW e nunca utilizei células inferiores a 20Ah.

    Isto tem muito a ver com a percepção de cada um e são escolhas muito pessoais nas quais atravessamos a credibilidade da empresa. Há que respeitar...
    Imagem
    Avatar do Utilizador
    MVS
     
    Mensagens: 677
    Registado: 16 mai 2014, 07:15
    Localização: Porto


  • E caso para dizer cada caso é um caso.

    Já agora devemos carregar só até 80 % e quando necessário para fazer mais km a 100% ?
    Avatar do Utilizador
    MRider
     
    Mensagens: 896
    Registado: 19 mai 2014, 00:05
    Localização: Ilha da Madeira


  • Com um bom BMS podes sempre carregar a 100%.

    Com os exemplos que dei acima é preferível não chegar lá...
    Imagem
    Avatar do Utilizador
    MVS
     
    Mensagens: 677
    Registado: 16 mai 2014, 07:15
    Localização: Porto


  • MVS Escreveu:...Como sabes Jorge tenho um profundo respeito por ti e pelo teu trabalho a quem os clientes de VEs em Portugal muito devem. Nada disto é pessoal estamos aqui a discutir assuntos técnicos. Não estou de acordo com o que escreveste acerca deste tipo de baterias.

    Desculpa não perceber tua ultima frase???
    Depois disto tentei ler se alguma coisa iria contrariar o que eu escrevi "acerca deste tipo de baterias", e não consegui identificar nada.
    Podes ser mais objectivo quando dizes que não concordas com o que escrevi? (pode levantar maus entendidos)
    Obrigado
    Avatar do Utilizador
    Jorge Rocha
     
    Mensagens: 410
    Registado: 18 mai 2014, 23:56

Próximo


Voltar para Baterias




Informação
  • Quem está ligado:
  • Utilizadores a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 3 visitantes
cron